25
Dom., Out.
5 Artigos Novos

Sustentabilidade

Com a sustentabilidade em cima da mesa, as marcas procuram formas de inovar, reutilizar e reciclar. O setor têxtil não é exceção e o exemplo disso é o novo lançamento da multinacional Lidl, que lançou a linha de lingerie Seacell, que utiliza algas marinhas enquanto matéria-prima, num processo ecológico sem a libertação de químicos.

 A nova coleção de lingerie das marcas próprias Esmara e Livergy recorre a uma tecnologia que permite utilizar algas marinhas como matéria prima têxtil.  

A fibra Seacell é produzida a partir de algas marinhas - recursos naturais com propriedades ricas em minerais, vitaminas e aminoácidos e ativam a regeneração celular. A mesma é produzida através de um processo patenteado que incorpora as algas marinhas dentro de uma fibra natural de celulose, e possibilita manter as propriedades positivas das algas, mesmo após vários ciclos de lavagem, tornando os têxteis confortáveis e com um efeito antioxidante sobre a pele.

No processo de recolha desta matéria-prima, apenas são utilizadas as partes das algas marinhas capazes de se regenerar, garantindo a sua preservação.

“O processo de produção é ecológico, uma vez que ocorre num ciclo fechado, sem a libertação de produtos químicos como resíduos. Neutra em carbono e completamente biodegradável, a fibra Seacell garante uma qualidade duradoura das peças de roupa”, refere o Lidl em comunicado.

 
Há 25 anos em Portugal, o Lidl tem cerca de 7000 colaboradores, distribuídos por mais de 259 lojas, de norte a sul do país, e quatro direções regionais e entrepostos, para além da sede: Famalicão (Norte), Torres Novas (Oeste), Sintra (Centro) e Palmela (Sul).