28
Qui., Jan.
6 Artigos Novos

Gestão Florestal

A Mars anunciou que o seu Palm Positive Plan atingiu o objetivo de ter uma cadeia de fornecimento de óleo de palma sem desflorestação, um marco significativo nos seus esforços para combater a desflorestação e promover o respeito pelos direitos humanos.

Lançado em setembro de 2019, o plano tem como objetivo reduziu radicalmente o número de fábricas de que provém o óleo de palma, adjudicando contratos de longo prazo apenas a fornecedores que se possam comprometer com as suas expectativas ambientais, sociais e éticas. Através da sua simplificação da cadeia de abastecimento, está a levar a sua contagem de fábricas de 1500 para menos de 100 até 2021, e está a caminho de reduzir esse número para metade em 2022.

Grant Reid, Diretor Executivo da Mars Incorporated, acredita que uma abordagem transformadora será fundamental para ajudar a enfrentar os desafios ambientais e sociais globais.

"As cadeias de abastecimento - os motores por detrás do negócio global - estão avariadas. A pandemia tornou-o ainda mais claro, destacando as vulnerabilidades sistémicas que afetam as comunidades da cadeia de abastecimento e a saúde do nosso planeta, bem como a necessidade urgente de as empresas transformarem estratégias e práticas de compra e fornecimento. Os negócios, como de costume, não conduzirão à mudança transformacional que é necessária”.

Barry Parkin, Chief Procurement and Sustainability Officer, acredita que a transformação radical da cadeia de fornecimento de óleo palma pode ser catalisador para mudanças a nível sectorial. "Durante anos, as empresas têm enfrentado cadeias complexas e opacas de fornecimento de óleo de palma. É hoje evidente que isto não foi suficiente para garantir que não haja desflorestação nem questões relacionadas com os direitos humanos. Simplificando radicalmente a nossa cadeia de fornecimento, podemos eliminar a desflorestação e promover o respeito pelos direitos humanos”.

Um exemplo está na sua cadeia de abastecimento às suas empresas da Ásia-Pacífico, onde está agora a abastecer-se da UniFuji - uma parceria entre a United Plantations e a Fuji Oil - que reduziu as operações de 780 fábricas para apenas 1. Isto foi conseguido através de um modelo 1:1:1 — o que significa que o óleo de palma é cultivado numa plantação, processado numa fábrica e numa refinaria antes de chegar à Mars.

Justin Adams, Diretor Executivo da Aliança das Florestas Tropicais, afirmou: "Aplaudo os progressos que a Mars fez para alcançar a desflorestação zero na sua cadeia de abastecimento. É um testemunho do trabalho árduo e dedicação da empresa ao longo dos últimos dez anos e precisamos de ver mais empresas a abraçarem a lógica do modelo três M — mapeamento, gestão, monitorização — que eles têm estabelecido. Mas o sucesso também destaca os limites da liderança individual. Só podemos parar a desflorestação trabalhando coletivamente em todo o sector."

Apesar dos progressos positivos, algumas associações ambientalistas são da opinião de que a Mars deveria fazer um trabalho formativo, que permitisse que quem vive da produção de óleo de palma possa fazê-lo em condições sustentáveis, em vez de simplesmente cortar as compras de forma radical.